sexta-feira, 25 de abril de 2008

aqui jaz...

hoje, em visita ao sesc pompéia para uma ótima conversa com a salete sobre a implantação de uma rede de projetos para o sesc, me deparo com essa foto abaixo:


e acabei de me lembrar que no dia 07 de setembro de 2006 a gente começou o Projeto Pátria Livre lá... uma das primeiras salas do SESC a usar linux! Um marco de virada... e muitos ainda virão...

sobre alguns dos próximos passos..

"E que, o caminho, seja linear, e não circular.
E que, os neurônios, leve aos nervos, informações pacificas,
E que, o micro, leve ao macro, esperança.
E que, a ética, não fique guardada atrás das mascaras. "

e assim novas manhãs farão sentido a permanência do tempo...

terça-feira, 22 de abril de 2008

na virada do tempo...

homens iniciam caminhadas e passos sobre a estrada.
há no céu o risco e o traço de um tempo. não da passagem, mas da permanência...
se é o que a força da mão sustenta na íris velada.
gigantes ainda caminham pela terra.
a coragem não é de viés... a lágrima brilha na compreensão do próximo passo.

o poeta brilha na luz de cada dia.
ao longe, tambores apenas ressoam que é preciso caminhar...

é preciso caminhar... expectativa do quê?
a compreensão é passo a passo, na caminhada, nas mãos dadas, no olho no olho...

quem é, é! apenas é. vai sendo a cada dia, a cada manhã... quando o telefone toca e a voz pressente aquilo que teria sido.

simbora! não há tempo para demora.

sábado, 19 de abril de 2008

introdução ao Drupal...

faz um bom tempo que já venho trabalhando um pouco com Drupal.
tenho muito ainda a estudar e aprender mais coisas sobre o dito... no entanto, aqui no Fisl venho percebendo o quanto a própria lógica do Drupal me ajudou a construir algumas idéias interessantes sobre como organizar uma rede social... aqui deu para sentir o feedback que o uso de Drupal vem causando em mim mesmo. dá para avançar muito mais nele.

Bem, fiz na semana passada uma apresentação sobre o Drupal para alguns técnicos do Ministério da Saúde, devido ao projeto Rede Humaniza Sus que estamos tocando pela WebLab.


para já abrir mais o espaço para o Drupal, segue a apresentação por aqui...


Mapeando a rede metarecicleira no Fisl - Parte II

video

Entrevistando o povo da área dos Maristas aqui no Fisl. MetaReciclagem se espraiando... interessante de ver! Eles só podiam mesmo fazer parte da comunidade metareciclagem e publicar suas idéias por lá! que tal? são mais que bem-vindos!


video

Mapeando metareciclagem - parte 1


video

andando pelo ambiente do fisl, pude dar uma boa olhada na área dos Maristas...
foi interessante mapear algumas formas como eles vêm se apropriando de metaReciclagem...

sexta-feira, 18 de abril de 2008

fisl 9.0 - dia 02 - construindo contexto...

ontem, fiquei trabalhando em alguns emails até bem tarde e pensando no que poderia ser o dia hoje... bem, vejamos o resumo da ópera...

começa o dia...
lembro da lú quando passo pelos dois porto riquenhos que estavam vendendo um casal de chinchilas no corredor do hotel... chinchilas? fala sério...
chega no café. cadê o berel? pão na chapa, sapatinho com leite e o prêmio do "Café que Matou o guarda" vai para.... Dona Jacira!!! coisa fina.
cadê o taxi? putz... de novo sem meias... a situação tá complicando. e eu com aquele sapatinho do Extra. é, on the road again!

chego Fisl...
fui direto para o encontro da comunidade Moodle. A "palestra" versava sobre o projeto de formação da Previdência do governo federal. Lá pelo slide 15 ou 16, aparece alguma coisa de Moodle. Poucos minutos, a Cris do Casa Brasil inicia uma fala sobre a experiência de uso do Moodle para as oficinas em EAD. Pouco tempo. Num deu para entrarmos mais a fundo e buscar um diálogo sobre o que vem dando certo, o que vem dando errado e por aí... Buenas, faz parte, toco em frente...



Mesa do Encontro Moodle

Toco em frente...
Tinha uma conversa marcada sobre o OLPC e a experiência em São Paulo e Porto Alegre. Apresentação fina, muito interessante... Deu para sentir um grande potencial aqui, idéias novas, novos resultados e experiências que trabalham no campo do sensível... Algumas impressões interessantes que saiu dessa mesa:
  • o OLPC permitiu criar uma experiência de formação de contexto e apropriação de tecnologia que potencializa a auto-estima e a percepção de si mesmo por parte da moçada que tava usando ele;
  • o micro na aula, mudou a dinâmica da aula, havendo a formação necessária e o acompanhamento efetivo dos professores. Não estou dizendo aqui que mudar a aula significa melhorar a aula, mas cria um campo de experimentação novo e que pode significar mudanças conceituais e práticas bem interessantes;
  • os idealizadores do campo de experimentação apresentam uma sacada muito interessante, que a gente já vem pensando em atuando em algo em paralelo, que é realocar o professor do provedor de conteúdo para o orientador de projetos... Olha a rede de projetos sendo gestionada no âmbito da aula... Aí, cabelo avoa!
  • outra camada interessante... o foco sai da metáfora do desktop e entra na lógica da rede social... gostei!
Alguns pontos que sinto que podem ser muito melhorados e trabalhados:
  • falta um ambiente para que a rede social se expresse e permita pendurar conteúdos de forma a construir uma lógica de remix e compartilhamento;
  • é fundamental que esse ambiente siga a lógica de emergÊncia de uma rede e não busque focar no conteúdo...


Contexto do OLPC

Sai da apresentação e vi uma moçada usando uma camiseta escrita "MetaReciclagem". Fui atrás. O povo dos Maristas. Bem, fiquei feliz de ver algumas coisas replicando. Voltei no tempo, lá em 2004 quando eu e o Felipe Fonseca fomos visitar o povo que estava iniciando um programa de telecentros... Eles pegaram muitas idéias de metaReciclagem e replicaram praticamente tudo o que a gente fez em Sampa. Replicou. Mesmo... tá andando sozinho. Para mim, isso foi um marco definitivo. MetaRec é um case que considero que anda sozinho e caminha... Fiz alguns vídeos que vou publicar aqui do que mapei. Só um toque... Esse povo podia compartilhar suas experiências na lista.. Ajudava a comunidade e estimulava muitos a caminhar! ok?


Experimento com MetaReciclagem

Almoço e inicia-se uma rodada de excelentes conversas... Fiquei muito animado nessa pegada de hoje:

  • papo com Cris e Thiago da Casa Brasil sobre a integração de Redes Sociais e uma ação efetiva de novas possibilidades de uso tático e estratégico das Casas Brasil;
  • papo com o Pixel sobre um evento de inclusão digital em Camaçari e um Café Colaborativo para construir o contexto do projeto na cidade;
  • papo com a Fernanda, que voltou da Alemanha há dois e tinha nos conhecido na Tunísia, em 2005. Enfim, está com um projeto de doutorado bem interessante e tudo a ver com o que estamos fazendo no Lidec. Além, é claro, dela estar buscando parcerias para o ICT4D. hummm interessante... mais uma boa sincronicidade;
  • papo com o Marcelo Bressanin, excelente, sobre projetos, SESC, gestão de instituições e possibilidades, mutias possibilidades de inovação...

segue o trem...
vou publicar alguns vídeos interessantes e lançar aqui mais tarde...

simbora!






drupal no fisl


a turma do Fabiano apresentou um pouco da experiência de migrar o famoso e glorioso Dicas-L para o Drupal. Bem, a Internet não ajudou e não foi possível abrir o site para mostrar alguns detalhes do processo de customização...
o que acho mais interessante disso tudo é demarcar alguns territórios importantes sobre o pq. estamos escolhendo Drupal como um ambiente de desenvolvimento. Ontem de noite, voltando ao hotel com o Júlio, depois da apresentação do Portal do Professor do MEC, eu pude refletir como o uso do Drupal, através da lógica do seu framework, vem influenciando nossa reflexão sobre como montar uma rede social...
alguns pontos que valem destacar:
  • todas as informações podem ser consideradas como um nó;
  • um nó permite agregação de muitos elementos, como comentários, conversação, compartilhamento, trackeamento;
  • ênfase em sistemas de tageamento comunitátio possibilitando filtros que façam sentido a cada comunidade;
  • o foco é na formação da rede e não na disponibilidade do "conteúdo".
A chave é que não estamos pensando no conteúdo, mas na rede.
A rede é capaz, quando devidamente ativada, de criar um sentido próprio que justifique sua ação como coletivo.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

fisl 9.0 - dia 01


Drupaleiros no Fisl - Zé, Fabiano, Júlio, eu e o Lourenzo


o dia começa cedo. as 04:00 toca o rádio.. Wando sussurando nos ouvidos, a gemada cozinhando na frigideira e a meia, cadê a meia...
bom, levanta, pega tralha e simbora para o aeroporto.
o vôo previsto para as 06:10 e a famosa goiabinha com suco de manga e gelo me aguardava de café da manhã no vôo Gol.
fila, muita fila... alguma coisa parecia estranha para as 5:15 da manhã em Sp...
Prabudeva (também conhecido como Júlio Boaro) chega só no sapatinho, confirmando a tradição de 4 prêmios seguidos como o Rei da Pisadinha de Guaianases.
fila, muita fila...
a notícia dizia que o aeroporto tava fechado em Poá. bem, sentar, esperar e drupalizar... tirei o atraso e estudei todo o sistema de hooks do drupal. enfim, construi meu primeiro módulo... ;-)
conseguimos embarcar em direção a floripa em torno das 9:10... de floripa, para Porto Alegre, chegando em torno do 12:00...
bem, simbora para o hotel. foi a Lú que arrumou, dizendo que era da turma de uns chegados dela, baratinho, na frente da rodoviária e tals... pula calango, sobe escada, dribla a greve, escorrega no berel (argh). achamos o quarto. no canto da cama "garibaldi, 1828". simbora pro fisl. hotel é para dormir, hey ho!
na arena, depois de 4 anos, nada mudou.
mesmo estilo.



começo o dia participando do debate de Inclusão Digital e Software Livre... putz... num era só no espaço que nada tinha mudado.
a conversa parecia a mesma de 4 anos atrás. ninguém falando de web, neguim discutindo distro e se perguntando pq. eles não estavam compartilhando experiências... lembrei do ligaNóis, do Conversê, do Ecoa, do Hsus, da Rede de Projetos e pedi para falar... a toada foi que distro é meio e num é fim... pouco importa o sistema, importa o que tem na ponta, que infra-estrutura de conversação que existe e que tipo de conversa se estabelece... pouco importa se o acesso é em Fedora, Ubuntu ou Slack, Firefox 2 é Firefox 2 em cada uma delas... pouco tempo pra conversa, muito blabla, acabou logo.
abertura oficial, 10 gravatinhas fazendo palanque. fala sério... nada de substancial.
fui ver a tecnologias emergentes do Ronaldo Lemos, do Cláudio Prado e do Mangabeira Unger, que num pode vir. Bem, na mesma toada... p2p, oportunidade de aproveitar a tecnologia para desenvolvimento e tals, e tals, e tals... parecia o Haiti. aqui?
depois, conversa interessante sobre o Proinfo e o que MEC tá planejando nas ações...
coisa grande, mais de 350.000 computadores em projetos...
portal próprio, php, foco total em conteúdo, sem tags, pouca possibilidade de conversação... interação parece é recurso que nem ppt... sim, eles realmente acreditam em objetos educacionais... é triste ver a lógica da rede sumir nos meandros de uma ação trilhardária no meio de tanta ideologia... cadê o software livre? ah, sim, lembrei, eles vão deixar o portal para download no site do MEC... mais um CMS, mais um framework... alguém avisou para eles que num tem comunidade na ponta? alguém avisou que governo muda e o link some?
mas, algumas ações interessantes... um projetor com teclado e mouse embutido que vira mala e espeta direto num plug que liga no servidor da escola e puxa o "conteúdo" para sala de aula. Contém 1g?
é... foi interessante para perceber que eu me sentia quase que em outro mundo... praticamente nenhuma das tags que a gente conversa quase que diariamente no laboratório parecia fazer parte do vocabulário da galera... pesquisa, dados, análise, redes sociais, capital social, apropriação de tecnolgia... isso deve ser coisa da microsoft...
na boa, o Acessa na Escola tem tudo para ser um case literalmente revolucionário.
depois, para fechar a noite em alto estilo, apresentação do Processing. uma bela linguagem de programação voltada para arte e tecnologia. eu já conhecia o meme, mas vendo rodar encheu os olhos. já tô pensando em oficina no sesc para ver experimentação... interação total, biblioteca de organismos vivos (biologia tem a ver com arte?), muito simples, fácil para ensinar programação.... hummmm a fábrica de software do Pj....
volta para o hotel. guisado de sardinha... Lú, a gente te pega na volta!

terça-feira, 15 de abril de 2008

Dados sobre a inclusão digital no Brasil...

no total, ainda não temos 18.000 computadores em programas...
mesmo pensando num alto nível de rotatividade de máquinas, o diferencial disso tudo não está no acesso, está na possibilidade de uso para construção de processos mais elaborados que o mero relacional do orkut...

tem um caminho aqui...


Dados sobre inclusão digital no Brasil

segunda-feira, 14 de abril de 2008

quando a agregação e catalisação é o lema...

... a gente começa a pensar em como organizar tudo isso que circula por aí...
como mapear os vídeos, as fotos, os textos e quanto conteúdo circulando, adaptando, produzindo a partir de referências das mais diversas possíveis?

bem, uma tentativa interessante são esses novos ambientes na web que permitem agregar conteúdo, via RSS, de serviços de redes sociais e compartilhamento de conteúdo.

um toque bacana por aqui!

ainda venho me organizando por aqui... mas, em breve pretendo iniciar a documentação desse tipo de ferramenta com base numa produção mais consistente do que venho pesquisando...

aliás, hoje, caiu uma grande ficha vindo para o laboratório:

minha pesquisa vem consistindo nos últimos anos de metodologias, processos, tecnologias, tendências que permitam catalisar processos colaborativos. ou seja, como organizar melhor a forma como conversamos, seja a distância ou presencialmente, de forma a permitir uma melhor qualidade da nossa colaboração.

a partir dessa clareza, o foco da pesquisa se pontua na sua própria consistência. novos caminhos se abrindo...

organizando a produção...

bela dica do Link...

organizando a vida 2.0!

há uma sacada interessante por trás disso tudo:

organizar a coleta e publicação de informação através do gerenciamento de RSS em um único ponto... é a tal da mente sintetizadora sendo colocada em prática em formas menos abstratas... mas, dá para ir mais longe?
vejo que sim... como?
bem, saca só:

a publicação de feeds e a sistematização dos mesmos em um agregador é um passo fundamental para mapear a informação, mas poderíamos agregar camadas de identificação de padrões a partir de uma composição semântica de agregação, ou seja, conseguirmos ter inteligência suficiente para possibilidades de e agregação de pares a partir de seu conteúdo agregado.!...?

Redes Sociais e a América Latina

Hoje pela manhã, o alerta do Google me trouxe essa pesquisa:

Cresce o número de usuários das redes sociais na América Latina!

É interessante ver esses dados, principalmente pelo fato de algumas pesquisas que tenho feito ultimamente em relação ao que realmente nos motiva a conversar, a querer se conectar... O que está por trás disso? Algumas hipóteses:
  • alguns indicadores nos dizem que fomos biologicamente programados para nos conectarmos, ou seja, para buscarmos encontrar o outro, compartilhar, viver em grupo;
  • a conversação é o que dá sentido ao nosso processo de estar no mundo;
  • as redes sociais refletem, talvez intuitivamente, estruturas neurais de interação que podem facilitar nosso processo de interação com o outro!
bem, apenas algumas idéias que andam circulando pela minha esfera...
é claro que não acredito em determinismo biológico para isso, mas, sim, acredito que possamos ter estruturar que são otimizadas quando do encontro com o outro, como os neurônios espelho, por exemplo.

e segue o trem...

terça-feira, 8 de abril de 2008

Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship

Social network sites (SNSs) are increasingly attracting the attention of academic and industry researchers intrigued by their affordances and reach. This special theme section of the Journal of Computer-Mediated Communication brings together scholarship on these emergent phenomena. In this introductory article, we describe features of SNSs and propose a comprehensive definition. We then present one perspective on the history of such sites, discussing key changes and developments. After briefly summarizing existing scholarship concerning SNSs, we discuss the articles in this special section and conclude with considerations for future research.

Mais aqui!

algumas razões para blogar...

hoje pela manhã, iniciei uma conversa com o Felipe Fonseca, mano das antigas, um dos responsáveis por uma abertura de compreensão minha em relação as tecnologias sociais e o que construímos juntos a partir disso... bem, o FF, como é conhecido nas gerais, me passou um link do Rajesh, sobre as razões pelas quais ele bloga...
bem, me serviu muito, pq. eu estou numa fase totalmente diferente de construção nesse blog aqui, apesar de já ter criado vários blogs desde 2002 e ter tentado várias experiências...

algumas idéias do Rajesh:

I consider blogging as part of my job and business. The blog focuses on technology, and helps me share my ideas and get feedback. It also connects me to people I would otherwise have never met. The blog also helps build trust and reputation, a sort of "digital identity". It also servers as a searchable repository of articles and ideas I find interesting.

Viewed in this manner, I view the blog as a critical component in our efforts to get traction for our ideas. As someone I met said the other day, "Today's business is a battle of ideas." And there, my blog comes in useful - it is a low-cost way to market our ideas.

Como vejo isso na minha ação:
  1. blogar sintetiza minha pesquisa;
  2. blogar me permite organizar uma trajetória e me auxilia a compreender a caminhada, por isso o blog se chama "Os próximos passos...";
  3. blogar cria um histórico fundamental de pesquisa;
  4. blogar me permite ter mais uma interface de relacionamento e ter idéias vivas plasmando no universo energético dos buscadores;
  5. blogar me deixa feliz!



segunda-feira, 7 de abril de 2008

As melhores decisões da inteligência coletiva...

“As melhores decisões coletivas são produtos de desacordos e contendas, e não de consenso e compromisso”. O autor diz que são quatro as condições para que o produto de todos supere o de cada um:

a)diversidade de opiniões, porque daí vêm mais informações;

b)independência entre os membros, evitando a influência tendenciosa dos lideres de opinião;

c)descentralização, que neutraliza os erros; e

d)um bom método para reunir opiniões e chegar a conclusão."

Diretamente daqui!

Bem, vamos comentar um pouco aqui que isso tem uma relevância interessante para o que venho pesquisando ultimamente...
Vejamos:

  1. a diversidade de opiniões permite uma maior possibilidade de inteligências múltiplas entrarem no diálogo, ou seja, permite que variadas formas de representações de uma idéia possam conviver e dialogar. A riqueza da diversidade então é uma questão de possibilidade cognitiva;
  2. independência entre os membros tem a mesma relação cognitiva, pois isso novamente nos leva a permitir uma diversidade de interpretações e representações mentais;
  3. a descentralização equaliza os pares, permitindo uma construção p2p de conceitos e idéias;
  4. esse último é fundamental! é a essência de um processo de ativação. Se não houver uma clareza no formato da conversa, na maneira de filtrar e taggear a produção, uma boa quantidade de iniciativas pode cair no vazio... Isso é uma das razões pela qual gosto tanto dos modelos de Cafés Colaborativos com os quais venho trabalhando e ajudando a desenvolver ultimamente, como possibilidades de ativação de redes sociais.
e vamo que vamo!